segunda-feira, 30 de novembro de 2015

16 hábitos que mudaram a minha vida

Desde que fui mãe, há mais de 4 anos, que me consciencializei da importância que a organização pessoal tem para se conseguir ter uma vida mais tranquila e completa.

Aos poucos fui adaptando, fui experimentando, fui aprendendo e hoje estou num ponto em que, embora tenha muitos momentos de stress, e ainda há bem pouco tempo me senti preocupada com isso, consigo ultrapassar e readaptar-me, muito mais facilmente, a circunstâncias desafiadoras.
Imagem

Quando me dei conta que tinha desenvolvido bastante esta competência, a de me adaptar as novas circunstâncias, fiquei curiosa para perceber o porquê. Onde estaria a diferença entre o antes (que verdadeiramente sucumbia ao stress e depois levava bastante tempo a reerguer um novo sistema de organização pessoal) e o agora (oscilo perante o desafio, mas mantenho-me erguida e rapidamente adapto o sistema à nova realidade).

A conclusão a que cheguei é a de que a diferença está num conjunto de hábitos que adquiri, em todo este processo de evolução da gestão pessoal, e que funcionam como alicerces para a rotina familiar e para a minha tranquilidade.

Os hábitos que me mudaram são estes:

1- Fazer a cama todos os dias (dá-me imediatamente uma noção de despertar e limpeza. Todos os dias, antes de fazermos a cama, aspergimos um pouco de essência de lavanda nos lençóis, humm é uma delícia quando a abrimos à noite - relaxante!)

2 - Abrir as cortinas e as persianas de todas as divisões da casa (é como abrir para o mundo e reconhecer que o dia começou, as plantinhas da casa agradecem e presenteiam-nos com um verde viçoso e brilhante)

3 - Tomar um belo banho logo pela manhã (não apenas por questões de higiene, mas também porque o banho é revigorante e acorda todas as células do nosso corpo)

4 - Comer sempre um bom pequeno-almoço (dá-nos energia e é essencial para que não haja quebras de ânimo durante todo o dia)

5 - Não sair de casa sem que esteja arrumada (nada melhor do que quando chegamos, após um dia de trabalho ou de um passeio, encontrar a casa arrumada, é só paz!)

Imagem
6 - Preparar o dia seguinte (deixar sempre a roupa que vamos vestir no dia seguinte pronta, as lancheiras preparadas e o que preciso para o pequeno almoço bem acessível)

7 - Arrumar/limpar a cozinha sempre após o jantar (nunca devemos ir para a cama com pratos sujos, não só porque irão deitar cheiro, como também e principalmente porque estaremos a privar-nos da sensação maravilhosa que é entrar na cozinha pela manhã e encontrá-la limpa e a cheirar bem)

8 - Não ir para a cama sem que a casa esteja arrumada (é o mesmo princípio do anterior - é maravilhoso acordar e estar tudo no sítio certo, é um bom início de dia)

9 - Ter uma agenda (eu optei pelo Bullet Journal, como incorpora agenda de compromissos,  To Do List e projetos, consigo muito facilmente manter a visão completa sobre a gestão da minha vida. Consulto-o sempre à noite para rever o dia e preparar o seguinte e consulto-o de manhã para antever o decorrer desse dia)

10 - Processar imediatamente a informação (em casa não fazemos como o GTD recomenda, não temos inbox, toda a informação que entra é imediatamente processada e fazemo-lo assim que chegamos a casa. Exemplo: A pequena tem um convite para uma festa de aniversário - chego a casa verifico a agenda, se for possível agendo o dia da festa, coloco na To Do List, do dia que for conveniente, que tenho que confirmar a presença e comprar a prenda, por fim aponto a morada do local da festa no telemóvel por forma a conseguir aceder em caso de me perder e pronto já não me ocupa a cabeça!)

11 - Gerir as tarefas doméstica pelo método Fly Lady (estou rendida a este método, são mais 15-20 minutos por dia, apenas, que me garantem a casa sempre limpa e o meu merecido fim-de-semana livre para atividades de lazer - farei um post sobre isto, mais tarde).

Imagem
12 - Ter uma ementa (já fiz semanal, já fiz mensal e agora alterei-a de ementa, para plano semanal. Isto é, tenho definido o tipo de alimento para cada refeição e dentro desse grupo várias opções. Tem funcionado muito melhor, dá-me mais liberdade e uma melhor gestão do que tenho em casa - farei um post sobre isto, mais tarde)

13 - Cada coisa tem o seu sítio (este é o maior tesouro da organização. Definir um sítio certo para cada coisa e respeitá-lo é quase como manter a casa organizada automaticamente)

14 - Planear (esta é a base de tudo, faz com que a vida flua com muito maior estabilidade e tranquilidade)

15 - Meditar 10 minutos por dia (uma mente tranquila e consciente consegue manter-se estável até no meio de caos)

16 - Aprender a dizer NÃO

Acreditas que são hábitos que podem mudar a tua vida? Porque não experimentas?


sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Stress no trabalho - como é que eu evito?

Ultimamente os meus dias têm sido muito exigentes em termos profissionais. As demandas são cada vez em maior número e a complexidade das tarefas tem sido cada vez maior.

Períodos como este, que todos nós temos, podem gerar muito stress e muito cansaço e afectar-nos bastante, também em termos físicos, mas sobretudo em termos mentais.
Imagem

Para tentar contornar isto, procurei informar-me sobre práticas e técnicas que me permitissem cumprir a minha obrigação profissional e satisfazer o meu brio, mas que não melindrassem o meu bem-estar nem a minha disposição para outras atividades mais prazerosas.

Se bem que tive que, diariamente, estabelecer prioridades e não consegui chegar a "todo o lado" o que é certo é que não me senti tão abatida nem tão impotente, o que veio a ser uma agradável surpresa para mim.

Que técnicas/práticas utilizei? Bem, aqui ficam os meus segredos:

1. Ter uma rotina de chegada ao trabalho - quando chego ao trabalho ligo o computador e acedo ao jornal on line, para me actualizar enquanto como um iogurte com bagas goji e bebo o café (sim,sou uma sortuda com uma máquina de café e uma chaleira eléctrica no gabinete). Estes 15 minutos de rotina de chegada são fundamentais para o meu bem-estar porque me permitem ter uma entrada no horário de trabalho relaxada. Permito-me um período de transição que me prepara para o que aí vem, mais um dia frenético.

2. Confio nas minhas ferramentas de trabalho - Sempre que consulto o calendário sei que tenho lá todos os meus compromissos, sei quais são as minhas inbox (e-mail, telefone, bloco de notas e mesa de trabalho - é frequente deixarem-me papelada e post'it na mesa enquanto estou ausente)  e a To do List (caderno) espelha clara e realmente a minha definição de prioridades. A To Do List é a base estrutural de toda a minha organização no trabalho. É o meu guião diário, resulta da análise que fiz das actividades que tenho para desenvolver e da decisão que tomei quanto às prioridades para aquele 
Imagem
dia. No momento de execução não questiono nem reflicto sobre a pertinência da lista, executo-a escrupulosamente. Claro que há muitos dias em que outras actividades surgem como urgentes e ultrapassam o que tinha decidido, mas quando defino a To Do List já assumo que isto vai acontecer e modero a minha ambição para o dia. Se conseguir, antes da hora de saída, concluir o que tinha definido, vou à Lista dos Pendentes e resgato o mais importante e cuja realização seja possível naquele mesmo dia. Ou seja, se nos Pendentes tiver duas actividades muito importantes mas apenas uma hora até à hora de saída, irei escolher a actividade que seja passível de concretizar nesse espaço de tempo. Não quero uma To Do List longa, quero-a realista e exequível.

3. Reduzo Distrações - como já optei por não ter quaisquer notificações no telemóvel, nem mesmo para as mensagens, as distrações causadas pelo telemóvel já são, normalmente, mínimas. Comprometi-me, comigo própria e tenho cumprido com muita facilidade, que outras distrações, como redes sociais e blogs só cabem em pausas de 10 minutos. Adaptei a técnica do Pomodoro pois em vez de fazer pausas de 25 em 25 minutos (que me causava dispersão) faço uma pausa por cada actividade concluída (que organizo por forma a levar cerca de 50 a 60 minutos a realizar), é como se fosse um prémio de desempenho! Parabéns, tens direito a uns bem merecidos 10 minutos de pinterest, facebook ou conversa com colegas!

4. Não faço multitasking - Está provado que o multitasking não tem resultados positivos em termos de produtividade, que o constante redireccionamento de atenção é demasiado exigente para o cérebro e desmotiva a concentração.

Imagem
5. Estratégias anti-stress - sempre que me deparo com um momento de maior stress recorro a auriculares para me isolar de ruídos e conseguir um espaço mental isolado, faço respiração consciente, esta técnica ajuda-me a parar o torvilhão de emoções dos momentos de stress e a ligar-me a mim própria, e faço perguntas relevantes. Quando me deparo com alguma coisa que me parece gigantesca e ameaça a minha tranquilidade, pergunto a mim mesma "qual a verdadeira dimensão disto?" - esta pregunta ajuda-me a redimensionar o problema e este, normamente, torna-se insignificante.

6. Rotina de saída do trabalho - antes de sair do trabalho processo todas as minhas inbox, revejo os projectos que tenho em mão, revejo os assuntos que tenho pendentes e construo a To Do List do dia seguinte. Organizo a minha mesa de trabalho, desligo todos os aparelhos e risco o dia do calendário passando a mensagem ao meu cérebro "o dia de trabalho está concluído, agora é tempo de descansar".


E assim é, a minha caixa de segredos. E os teus, quais são?

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Mais um passo, mais um salto.

Já faz muito tempo que não escrevo aqui. Tive uma necessidade de introspecção e de aprendizagem e dediquei-me bastante a leituras e a reflexões.

Imagem
Andei durante algum tempo Preocupada e senti uma enorme vontade não só de me simplificar, mas principalmente de me recolocar na vida.

Quando fiz a reflexão para me destralhar percebi que estava na altura de repensar as minhas prioridades e consciencializar-me do que realmente era importante.

Antes de prosseguir há que deixar um ponto de vista bem claro. Tive que o fazer comigo própria para conseguir continuar a reflectir e eventualmente tomar decisões. A vida não é estática e nós próprios estamos em constante evolução. Não tem mal precisarmos fazer este tipo de exercício várias vezes. Tem um motivo, o nosso crescimento e a nossa consciência de que não estamos confortáveis.

Há algum tempo atrás decidi que era importante para mim fazer voluntariado, escrever no blog, ter o site do facebook, escrever o romance, fazer meditação, fazer ioga, fazer exercício, fazer uma alimentação equilibrada, ter uma hidratação cuidada, ter tempo de qualidade com a família, fazer uma boa gestão da vida familiar, ter uma vida social activa, ter hobbies e ser uma boa profissional.

Imagem
Mas sempre que chega um momento de readaptação a novas rotinas, quer seja pelo início no ano letivo, quer seja por um novo projeto profissional, quer seja pela evolução das necessidades da pequena fruto do seu crescimento, seja pelo que for, eu, uma pessoa com algumas dificuldades de adaptação, com alguma resistência à mudança, sofro. E sofro porque tenho tantas áreas que quero desenvolver que qualquer pequena mudança influi em muitas vertentes e todas elas precisam de ser adaptadas.

Foi ao tomar consciência desta dificuldade cíclica que decidi recalibrar-me e com este processo consegui iluminar a minha vontade (sobre a qual tinha vivido no mês de outubro) e cobrir-me com o reconhecimento da minha humildade (novembro é o mês da humildade). Reconheço as minhas limitações, reconheço as minhas ilusões e reconheço que o tempo que tenho para viver é finito. Não pretendo construir nenhum império, seja do que for, e é minha vontade ser uma luzinha que ilumine os que me estão perto.

Por isso decidi secundarizar algumas atividades, desistir (até tempo oportuno) de outras e dedicar-me com corpo e alma a outras.

A importância do blog continua. Reflecti sobre se devia deixá-lo, mas decidi continuar. O Suspiro de Coruja sou eu. É uma atividade que faço de alma, com a qual me identifico e da qual me orgulho. O Suspiro de Coruja incentiva-me a continuar a evoluir e permite-me partilhar o que vou aprendendo.

Mas o Suspiro de Coruja é antes de mais um hobbie e é assim que eu quero que ele continue. Por isso, deixarei de fazer posts obrigatórios. Deixarei de ter uma agenda que me diz que tenho de escrever 2 posts por semana. A partir de agora publicarei livremente, libertarei a minha criatividade e deixarei a Coruja suspirar quando quiser.

Foi mais um passo, mas um salto que dei. Vens comigo?

Imagem